28
Abr 14

A Free Hugs Campaign (Campanha dos Abraços Grátis) é um movimento social que envolve pessoas oferecendo abraços a estranhos em locais públicos.

 

 

A campanha começou em 2004, por iniciativa de um homem australiano conhecido pelo pseudónimo "Juan Mann", com o intuito de deixar as pessoas bem dispostas, tão somente com um abraço grátis.

 

 

 

 

 

 

 

 

O movimento tornou-se internacionalmente famoso no ano de 2006, por causa do videoclip da banda australiana Sick Puppies, publicado no YouTube. O vídeo é um dos mais vistos no site, tendo sido visto mais de 72 milhões de vezes (informação relativa a março de 2012).

Os abraços são um exemplo de um ato humanitário de afetividade, executado por alguém cujo objetivo é apenas o de fazer as pessoas sentirem-se melhores.

 

 

 História:

Juann Mann criou a campanha cujo objetivo era abraçar pessoas, pondo-a em prática, em Pitt Street Mall, em Sydney, na Austrália, apenas para alegrá-las e incentivá-las a fazer o mesmo com outros.

 

 

Depois de algum tempo, alguns guardas, a polícia e responsáveis pela cidade disseram-lhe para que parasse aquela atividade, pois se alguém se magoasse, enquanto o abraçava, a Câmara poderia ser processada. Mann e seus amigos conseguiram então uma petição, que reuniu 10 000 assinaturas, obtendo assim permissão para continuar distribuindo abraços de graça.

 

 

 

 

 

 

 


Em setembro de 2004, Mann ofereceu um abraço a Shimon Moore, o líder da banda Sick Puppies e, desde então, tornaram-se bons amigos. Moore perguntou-lhe porque fazia aquilo, e ele respondeu que era porque gostava de deixar as pessoas felizes.

 

 

 

 

Algumas semanas depois, Moore decidiu gravar em imagens Mann distribuindo abraços, em diferentes lugares de Sydney.

Em 2008, após a morte da avó de Mann, Shimon Moore decidiu fazer um videoclipe, com as gravações, usando como banda sonora, a música "All The Same", e mandou de presente para Mann num CD, com a inscrição: "Isso é o que você é". Enquanto editava o vídeo, o resto da banda sugeriu que se colocasse no YouTube, e foi isso que fizeram. Dois dias depois, o site já tinha sido visitado 250 mil vezes.

 

Em Portugal:

Em várias regiões do nosso país a campanha Abraços Grátis tem tido bastante aceitação e muitos adeptos. Por exemplo, em 2007, na cidade do Porto realizou-se a primeira ação de Free Hugs em Portugal. Foi um sucesso que proporcionou um dia mais feliz à "Cidade Invicta".

Outra referência, que remonta ao ano de 2012, é o do Happiness Club de Leiria , fundado pela Associação Fazer Avançar, que tem levado a efeito o "Leiria Happiness Day" que todos os anos, a 22 de Maio (dia da cidade de Leiria) tem movimentado milhares de pessoas no centro de Portugal. Com uma equipa de 70 voluntários, da Associação Fazer Avançar, esta iniciativa gerou, em apenas dois dias, cerca de 9.450 abraços grátis, alguns smiles gigantes em Leiria, competições de gargalhadas, smiles em semáforos e muitas outras atividades divertidas. Os vídeos colocados no youtube pela Associação Fazer Avançar são a forma da organização passar a mensagem para as outras cidades do País e do Mundo.

 

 

 

publicado por Isabel Botelho às 22:05

25
Abr 14
Celeste Caeiro, atualmente com 80 anos, foi a mulher que fez do cravo a flor símbolo da revolução de 25 de abril em Portugal.
Quarenta anos depois, "Celeste dos cravos", como passou a ser conhecida, relembra aquele momento como um dos mais significativos da sua vida.

Foi ela quem, no dia 25 de Abril de 1974, distribuiu cravos pelos militares que levavam a efeito um golpe de estado para derrubar o regime ditatorial liderado por Marcelo Caetano, tendo, por este motivo, a revolução ficado conhecida pela Revolução dos Cravos.

Celeste Caeiro trabalhava, à altura da Revolução, num restaurante na Rua Braancamp em Lisboa. O restaurante, inaugurado a 25 de Abril de 1973, comemorava um ano de existência nesse dia, e a gerência resolveu oferecer flores às senhoras clientes, e um vinho do Porto aos cavalheiros.

Porém, como estava a decorrer o golpe de estado, o restaurante nem chegou a abrir. O gerente aconselhou os funcionários a regressarem a casa, e deu-lhes os cravos para levarem consigo, já que não poderiam ser distribuídos pelas clientes. Cada um levou então levou cravos vermelhos e brancos.

Para regressar a casa, Celeste apanhou o metro para o Rossio e dirigiu-se ao Chiado, onde se deparou com os tanques dos revolucionários.

 

 

 

 

 Aproximou-se de um dos tanques, para indagar o que se passava, ao que um soldado lhe respondeu:

"Nós vamos para o Carmo para deter o Marcelo Caetano. Isto é uma revolução!". 
Consta que o soldado lhe pediu um cigarro, mas ela não tinha nenhum. Celeste lembrou-se de comprar algo para os soldados comerem, mas as lojas todas tinham sido encerradas. A única coisa que tinha para lhes dar eram os molhos de cravos, ao que lhe disse: 
"Se quiser tome, um cravo oferece-se a qualquer pessoa". 

 

 

 

 O soldado aceitou e colocou a flor no cano da espingarda. 

 

 

 

 

 

 

Celeste foi então dando cravos aos soldados que ia encontrando pelo caminho, desde o Chiado, até ao perto da Igreja dos Mártires.

 

Isabel Botelho

 

 

publicado por Isabel Botelho às 17:50

23
Abr 14
Razões Para Comer Ovos:
- Possuem um alto valor nutricional. Um ovo tem 13 nutrientes essenciais em quantidades variadas necessários para o bom funcionamento do organismo, incluindo proteínas de alto valor biológico, colina, ácido fólico, ferro, zinco. Tudo isso por apenas 75 calorias. Ovos são importantes para as dietas de emagrecimento, força muscular, funcionamento do cérebro, a saúde dos olhos e muito mais.


Um ovo grande contém 6g de proteínas, quase metade delas está na gema. Tem 4,5 g de gorduras (7% das necessidades diárias), somente um terço desta é gordura saturada. Não contém gordura trans.


- Controle de peso: Proteínas de alta qualidade dos ovos contribuem para a sensação de saciedade prolongada e para manter a energia do organismo
Manutenção da força muscular e redução da perda de massa muscular: Pesquisas indicam que proteínas de alta qualidade produzem força muscular e ajudam a prevenir a perda de massa muscular em pessoas idosas.


- Gestação saudável: A gema do ovo é excelente fonte de colina, um nutriente essencial que contribui para o desenvolvimento do sistema nervoso central do feto, importante para a prevenção de anomalias fetais. Dois ovos provêem cerca de 250 miligramas de colina, ou seja metade das necessidades diárias para uma mulher gestante ou amamentando.


- Fundação cerebral: A Colina também é muito importante para a função cerebral em adultos, mantendo a estrutura das membranas celulares. É componente chave para a neuro-transmissão, que é responsável por transmitir as “mensagens” do cérebro através dos nervos para os músculos.


- Saúde da visão: Luteína e Zeaxantina, dois anti-oxidantes encontrados no ovo, ajudam a prevenir a degeneração macular, que é a causa principal da cegueira dos idosos. Apesar de possuir quantidade pequena dos dois nutrientes, pesquisas demonstram que a luteína dos ovos é mais bio-disponível que a luteína de outros alimentos.

Mitos acerca do colesterol:
Deve-se restringir ou não a quantidade de ovos que consumo?
Não, hoje não existe recomendaçóes para limitar o consumo de ovos para pessoas saudáveis Algumas pessoas têm receios, pelas informações incompletas do passado, em função do conteúdo de colesterol existente naquele alimento. Porém, hoje em dia pensa-se que o consumo de gorduras saturadas é pior no aumento dos níveis de colesterol no sangue que o colesterol da dieta normal e equilibrada. De acordo com especialistas, o ovo contém quantidades muito baixas de gorduras saturadas (1,5g das 5,5g de gorduras insaturadas). Na dúvida, consulte sempre o médico, pois cada caso é um caso!
Isabel Botelho
publicado por Isabel Botelho às 13:50

 

Os coelhos são um símbolo muito comum na Páscoa, pela associação à sua extrema fertilidade e facilidade de procriação. 

 

 

 

 

Para os judeus e para os cristãos, é sinal de esperança de uma nova vida e de reprodução.

 

 

 

Extremamente prolífica, a fêmea do coelho-europeu pode parir (engravidar) desde a idade de seis meses. O período de gestação (gravidez) dura pouco menos de seis semanas (normalmente 30 dias, dependendo da raça). Em cada uma das quatro a seis ninhadas anuais, nascem quatro a oito filhotes, cegos, sem pelo e também sem o sentido da audição. Todavia, os láparos de coelho doméstico engatinham uma hora após o nascimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Doze horas depois de nascidos os filhos, a fêmea já se acha pronta para o novo acasalamento,

Geralmente nascem 4 ou 5 láparos (nome que se dá aos filhos dos coelhos) de cada vez. Mas esse número pode  variar entre dois a 9 coelhinhos. A coelha mãe amamenta-os, normalmente, entre 20 e 30 dias.

A mãe coelha  mantém-nos no ninho (uma toca), que cava no solo. Ela pode não ficar no ninho, mas permanece sempre por perto. Ela forra o ninho, com pedacinhos leves e secos de madeira, esvas, ou palha. 

 

 

 

 

 

 

A coelha cobre os filhotes com ervas e com pelos, que arranca do próprio peito com os dentes.

 

 

 

 

 

Essa cobertura, além de encobrir os coelhos recém-nascidos, escondendo-os, para sua proteção, ajuda a mantê-los aquecidos. Quando os láparos têm cerca de 10 dias, já podem ver e ouvir, e possuem pelos macios.

 

 

 

 

 

 

 

 

Cerca de duas semanas, depois do nascimento, quando já têm uns 10 cm de comprimento, as crias deixam o ninho e escondem-se entre folhas e ervas altas. Geralmente, também cavam as suas primeiras tocas próximo do ninho.

 

 

 

 

 

 

 

 

A coelha raramente cuida dos filhos, mais do que algumas semanas depois do nascimento. Algumas fêmeas do coelho-de-rabo-de-algodão, por exemplo, começam a formar suas próprias famílias, com menos de seis meses de idade.

 

 

Isabel Botelho

 

publicado por Isabel Botelho às 02:19

21
Abr 14

 

Páscoa (do hebraico Pessach), significa passagem através do grego Πάσχα).

 

Embora não fosse originalmente, é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa, como a maior e a mais importante festa da Cristandade Católica, altura em que se celebra a morte e ressurreição de Jesus Cristo, uma figura histórica incontornável, independentemente da religião que se praticamos.

 

 

 

 

Na Páscoa os cristãos católicos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação, na, mais tarde, chamada sexta-feira santa, que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 dC.

 

 

 

 

Reza a história, que Jesus Cristo, ressuscitou, tendo-se libertado do sepulcro, onde foi sepultado, depois de morto na cruz, mesmo estando o jazigo tapado com uma lage pesada e gigantesca, sem que os guardas dessem conta do sucedido.  

 

 

 

 

 

 

A data da Páscoa pode calhar entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa, até ao Pentecostes.

 

Origem do nome páscoa:
Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pesah, data em que os judeus comemoram a libertação e fuga de seu povo escravizado no Egito. 
A palavra Páscoa advém, exatamente do nome em hebraico da festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum às celebrações pagãs (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida), mas também pela data da Páscoa no calendário. 
Em português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa tem origem no hebraico Pesah. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasquale Rotella, os franceses de Pâques, e também noutras línguas que não o hebraico: latim Pascha, azerbaijano Pasxa, basco Pazko, catalão é Pasqua, crioulo haitiano Pak, dinarmaquês Påske, Pasko em esperanto, galês Pasg, Pasen em holandês, indonésio Paskah, Páskar em islandês, Paskah em malaio, em norueguês påske, Paști em romeno, Pasaka em suaíle, påsk em sueco e Paskalya em turco. 
Os termos "Easter" (Ishtar) e "Ostern" (em inglês e alemão, respectivamente) parecem não ter qualquer relação etimológica com o Pessach (Páscoa). As hipóteses mais aceites relacionam os termos com Estremonat, nome de um antigo mês germânico, ou de Eostre, uma deusa germânica relacionada com a primavera que era homenageada todos os anos, no mês de Eostremonat, de acordo com o Venerável Beda, historiador inglês do século VII. Porém, é importante mencionar que Ishtar é cognata de Inanna e Astarte (Mitologia Suméria e Mitologia Fenícia), ambas ligadas a fertilidade, das quais provavelmente o mito de "Ostern", e consequentemente a Páscoa (direta e indiretamente), tiveram notórias influências.

 

Símbolos da Páscoa

 

 

 OVOS

 

 

 COELHO

  

 

CORDEIRO

 

CÍRIO PASCAL
GIRASSOL

 

Pão

 

 

 VINHO

 

 

 

SINO
 

Isabel Botelho

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Isabel Botelho às 13:08

As amêndoas de Páscoa são um dos doces mais consumidos na Páscoa em Portugal.  
A troca de presentes que ocorre nalgumas regiões (frequentemente de um padrinho para um afilhado) é também denominada de "dar as amêndoas", sendo acompanhada de um saco de amêndoas.

 

São geralmente formadas por uma amêndoa coberta de açúcar ou chocolate, embora haja muitas variantes.

 

 

 

 

 

 

 

 

Antes de ser desenvolvida a produção de açúcar era usual terem uma cobertura de mel.

 

 

 

 

 

 

A troca de presentes que ocorre nalgumas regiões. Frequentemente de um padrinho para um afilhado, em espacial, as crianças. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Também denominada de "dar as amêndoas", sendo acompanhada de um saco de amêndoas.

 

 

 

 

 

 

 

 ISABEL BOTELHO

 

publicado por Isabel Botelho às 00:13

20
Abr 14
De todos os símbolos, o ovo de Páscoa é o mais esperado pelas crianças.

Nas culturas pagãs, o ovo simbolizava começo de vida. Os povos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes boa sorte. Os chineses já costumavam distribuir ovos coloridos entre amigos, na primavera, como referência à renovação da vida.

Existem muitas lendas sobre os ovos. A mais conhecida é a dos persas: eles acreditavam que a terra havia caído de um ovo gigante e, por este motivo, os ovos tornaram-se sagrados.

Os cristãos primitivos do oriente foram pioneiros no uso dos ovos, como consequência
 do jejum da Quaresma. Como era proibido comer ovos durante a Quaresma, eles eram trazidos para a mesa no dia da Páscoa, e pintados com cores alegres para simbolizar a alegria dos cristãos pela Ressurreição de Cristo. Foram também os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando a ressurreição e o nascimento para uma nova vida.  Esse costume já surge na igreja primitiva, não apenas usual entre os povos latinos, mas também nas igrejas orientais. O ovo simboliza também uma nova criação da humanidade por Jesus Cristo que ressuscitou dos mortos. 

 

Nos países da Europa costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos e doá-los aos amigos. Em países, como na Alemanha, o costume era o de presentear as crianças.
Na Arménia decoravam ovos ocos com figuras de Jesus, Nossa Senhora e outras figuras religiosas.
Pintar ovos com cores da primavera, para celebrar a Páscoa, foi um costume adotado pelos cristãos, nos século XVIII. A igreja doava aos fiéis os ovos bentos.

A substituição dos ovos, cozidos e pintados, por ovos de chocolate, pode ser justificada pela proibição do consumo de carne animal, por alguns cristãos, no período da quaresma.

A versão que reúne maior consenso, é a de que, com o desenvolvimento da indústria do chocolate, em 1830, em Inglaterra, fez com que o consumo de ovos de chocolate aumentasse.
Razões Para Comer Ovos:
- Possuem um alto valor nutricional. Um ovo tem 13 nutrientes essenciais em quantidades variadas necessários para o bom funcionamento do organismo, incluindo proteínas de alto valor biológico, colina, ácido fólico, ferro, zinco. Tudo isso por apenas 75 calorias. Ovos são importantes para as dietas de emagrecimento, força muscular, funcionamento do cérebro, a saúde dos olhos e muito mais.

Um ovo grande contém 6g de proteínas, quase metade delas está na gema. Tem 4,5 g de gorduras (7% das necessidades diárias), somente um terço desta é gordura saturada. Não contém gordura trans.

- Controle de peso: Proteínas de alta qualidade dos ovos contribuem para a sensação de saciedade prolongada e para manter a energia do organismo
Manutenção da força muscular e redução da perda de massa muscular: Pesquisas indicam que proteínas de alta qualidade produzem força muscular e ajudam a prevenir a perda de massa muscular em pessoas idosas.

- Gestação saudável: A gema do ovo é excelente fonte de colina, um nutriente essencial que contribui para o desenvolvimento do sistema nervoso central do feto, importante para a prevenção de anomalias fetais. Dois ovos provêem cerca de 250 miligramas de colina, ou seja metade das necessidades diárias para uma mulher gestante ou amamentando.

- Fundação cerebral: A Colina também é muito importante para a função cerebral em adultos, mantendo a estrutura das membranas celulares. É componente chave para a neuro-transmissão, que é responsável por transmitir as “mensagens” do cérebro através dos nervos para os músculos.

- Saúde da visão: Luteína e Zeaxantina, dois anti-oxidantes encontrados no ovo, ajudam a prevenir a degeneração macular, que é a causa principal da cegueira dos idosos. Apesar de possuir quantidade pequena dos dois nutrientes, pesquisas demonstram que a luteína dos ovos é mais bio-disponível que a luteína de outros alimentos.

Mitos acerca do colesterol:
Deve-se restringir ou não a quantidade de ovos que consumo?
Não, hoje não existe recomendaçóes para limitar o consumo de ovos para pessoas saudáveis Algumas pessoas têm receios, pelas informações incompletas do passado, em função do conteúdo de colesterol existente naquele alimento. Porém, hoje em dia pensa-se que o consumo de gorduras saturadas é pior no aumento dos níveis de colesterol no sangue que o colesterol da dieta normal e equilibrada. De acordo com especialistas, o ovo contém quantidades muito baixas de gorduras saturadas (1,5g das 5,5g de gorduras insaturadas). Na dúvida, consulte sempre o médico, pois cada caso é um caso!
Isabel Botelho
publicado por Isabel Botelho às 21:00

13
Abr 14

 

Um beijo (do latim basium) é o toque dos lábios com qualquer coisa, normalmente uma pessoa. Na cultura ocidental é considerado um gesto de afeição. Entre amigos, é utilizado como cumprimento ou despedida.

 

 

O beijo nos lábios de outra pessoa é um símbolo de afeição romântica ou de desejo sexual - neste último caso, o beijo pode ser também noutras partes do corpo, ou ainda o chamado beijo de língua, em que as pessoas que se beijam mantêm a boca aberta enquanto trocam carícias com as línguas.

 

 

 

 

Os mais antigos relatos sobre o beijo remontam a 2500 a.C., nas paredes dos templos de Khajuraho, na Índia. Diz-se que na Suméria, antiga Mesopotâmia, as pessoas costumavam enviar beijos aos deuses. Na Antiguidade também era comum, para gregos e romanos, o beijo entre guerreiros no retorno dos combates.

 
Era uma espécie de prova de reconhecimento. Aliás, os gregos adoravam beijar. Mas foram os romanos que difundiram a prática. Os imperadores permitiam que os nobres mais influentes beijassem seus lábios, e os menos importantes as mãos. Os súditos podiam beijar apenas os pés. Eles tinham três tipos de beijos: o basium, entre conhecidos; o osculum, entre amigos; e o suavium, ou beijo dos amantes.
 
Na Escócia, era costume o padre beijar os lábios da noiva ao final da cerimonia. Acreditava-se que a felicidade conjugal dependia dessa bênção. Já na festa, a noiva deveria beijar todos os homens na boca, em troca de dinheiro. Na Rússia, uma das mais altas formas de reconhecimento oficial era o beijo do czar.
No século XV, os nobres franceses podiam beijar qualquer mulher. Na Itália, entretanto, se um homem beijasse uma donzela em público, era obrigado a casar imediatamente. No latim, beijo significa toque dos lábios. Na cultura ocidental, ele é considerado gesto de afeição.
Entre amigos, é utilizado como cumprimento ou despedida; entre amantes e apaixonados, como prova de paixão e amor.
Mas pode também ser um sinal de reverência, ao se beijar, por exemplo, o anel do Papa ou de membros da alta hierarquia da Igreja. No Brasil, D. João VI introduziu a cerimónia do beija-mão: em determinados dias o acesso ao Paço Imperial era liberado a todos que desejassem apresentar alguma reivindicação ao monarca. Em sinal de respeito, tanto os nobres, como as pessoas mais simples, até mesmo os escravos, beijavam-lhe a mão direita antes de fazer seu pedido. Esse hábito foi mantido por D. Pedro I e por D. Pedro II. 
 
Texto adapado de: Wikipédia
Isabel Botelho
publicado por Isabel Botelho às 22:50

Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

22
24
26

27
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO